segunda-feira, 27 de julho de 2015

Resenha: A Rainha Normanda - Patricia Bracewell

Título: A Rainha Normanda
Título Original: Shadow On The Crown
Autor: Patricia Bracewell
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
Páginas: 400
"Em 1002, Emma da Normandia, uma nobre de apenas 15 anos, atravessa o Mar Estreito para se casar. O homem destinado a ser seu marido é o poderoso Rei da Inglaterra, Ethelred II, muito mais velho que ela e já é pai de vários filhos. A primeira vez que ela o vê é a porta da catedral, no dia da cerimônia.
Assim, de uma hora para a outra, Emma se torna parte de uma corte traiçoeira, presa a um marido temperamental e bruto, que não confia nela. Além disso, está cercada de enteados que se ressentem de sua presença e é obrigada a lidar com uma rival muito envolvente que cobiça tanto seu marido quanto sua coroa.
Determinada a vencer seus adversários, Emma forja alianças com pessoas influentes na corte e conquista a afeição do povo inglês. Mas o despertar de seu amor por um homem que não é seu marido e a iminente ameaça de uma invasão viking colocam em perigo sua posição como rainha e sua própria vida."

Esse livro me chamou a atenção já com essa capa linda, e ao ler a sinopse fiquei muito animada para lê-lo e foi por isso que pedi ele para resenha mês passado. O bacana do livro é que apesar de ser uma obra fictícia e muitos dos acontecimentos serem criados pela autora, ele é baseado em fatos reais e registrados na Crônica Anglo-saxã. 

Emma é a irmã mais nova do Duque Richard da Normandia, e com apenas 15 anos é escolhida como noiva e enviada para a Inglaterra para se casar com o Rei Ethelred, uma vez que sua irmã mais velha e ainda solteira é considerada frágil para cumprir com o papel de uma Rainha. Mas o que choca a população e a família do Rei, não é o fato dele se casar tão rápido após a morte de sua primeira esposa, e sim se casar com uma Normanda e ainda por cima coroá-la rainha, pois sua primeira esposa mesmo tendo lhe dado 11 filhos, nunca passou de esposa, ou seja, nunca foi coroada rainha.

Assim, Emma é uma estrangeira num país mergulhado em conflitos com a Dinamarca, e apesar da posição de rainha, a jovem tem consciência de que inicialmente é apenas uma refém, uma forma que o Rei encontrou de travar uma aliança com a Normandia e impedir o Duque Richard de oferecer ajuda aos dinamarqueses. Mas a jovem sabe que para sobreviver deve ser forte, pois foi exatamente por isso que ela foi escolhida e não a irmã, e a cada dia que passa Emma faz alianças e amizades que não esperava.

O rei Ethelred é um homem cruel, insano e violento, com um passado obscuro e que ascendeu ao trono de forma duvidosa, e que não confia em ninguém de sua corte. Ele vê a jovem com quem se casa como uma menina, um fantoche nas mãos do irmão que deseja nada mais que poder, e a trata com desprezo e violência desde o início do casamento. Além de manter várias amantes, sendo a mais importante e perigosa, Elgiva, filha do Conde da Nortúmbria, o mais importante e influente em sua corte. Elgiva era uma das opções para se tornar a nova esposa do rei mas acabou sendo deixada de lado, isso fez com que nutrisse um ódio por Emma mesmo antes de conhecê-la e a torna um inimigo perigoso para Emma.

O que Emma não imaginava que pudesse acontecer era se apaixonar, e não por qualquer um, mas pelo filho mais velho do rei, Athelstan. Mas apesar de seu coração palpitar sempre que está na companhia do jovem, ela sabe que é impossível que algo aconteça entre eles e amaldiçoa o destino que a juntou ao homem errado.

Confesso que me surpreendi com a leitura desse livro, de uma forma boa até. Imaginava que o livro fosse ter mais romance e me surpreendi que o romance é o segundo plano da história, pois quase não há momentos românticos. É claro que o envolvimento amoroso de Emma é um atrativo para o livro, não só por ela já ser casada, mas por ser o alvo do seu amor o filho de seu marido, mas romance não é o ponto central do livro.

Desta forma, o livro não é um romance água com açúcar, mas sim uma história de luta, de lealdade, de traições, guerras e para quem é apaixonada por história, como eu, vai adorar a leitura, ainda mais por ter os ataques vikings sofridos pela Inglaterra naquele período.

Adorei a leitura, e a nota da autora no final do livro também é uma leitura gratificante pois ela nos descreve um pouco de sua pesquisa e o que ela tinha de fato concreto e o que foi puramente criado por ela. A Rainha Normanda é o apenas o primeiro livro de uma trilogia, o que me deixou um pouco decepcionada porque queria muito saber o desfecho da história. Por outro lado fiquei bem animada ao imaginar que serão mais dois livros para me aventurar pela corte Inglesa, o segundo livro intitulado The Price of Blood aparentemente foi lançado esse ano pela autora, se não me engano no começo do ano. Não sei qual é a previsão da editora aqui no Brasil, mas espero que seja logo.

A diagramação está ótima! A capa é linda como eu já mencionei, e no interior temos uma lista com os nomes dos nobres da corte anglo-saxã, da corte normanda e da família real dinamarquesa, além um mapa da região e um glossário das palavras diferente que foram utilizadas. O livro foi feito com um cuidado maravilhoso, e ainda antes de alguns capítulos há um trecho da Crônica Anglo-saxã.

Leitura recomendadíssima!

NOTA: 4/5

2 comentários:

  1. Oi querida,
    Sabe que desde a primeira vez que li esse livro achei ele simplesmente maravilhoso. Fiquei mais curiosa ainda com sua resenha e saber que teremos um pouco da guerra com os vikings neste.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    https://leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir